2014/2015: Plano de Formação


Os novos planos de formação funcionam em sintonia 
com os anos lectivos escolares, ou seja, de Setembro a Agosto.

Indice ações

Ação 24:2014/2015: II Jornadas Pedagógicas do Agrupamento de Escolas de Benfica. Inovação e Ensino da Excelência: Avaliação no AEB porquê e como.

Publicado a 03/06/2015, 08:04 por Bruno Henriques   [ atualizado a 30/06/2015, 09:04 ]


Curso de Formação: 15HP - 0.6 UC
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-82466/15
Local : Sede do Agrupamento de Escolas de Benfica (Escola Secundária José Gomes Ferreira)
Grupos de recrutamento: Docentes de todos os Grupos de Recrutamento 
Calendário: Julho 2015. Mais detalhes em baixo no final                                       

Descrição

As Jornadas Pedagógicas do Agrupamento de Escolas de Benfica (AEB) são um momento privilegiado da vida da nossa comunidade educativa, essencial para, em conjunto, refletirmos sobre os principais problemas que temos de vencer para proporcionar uma educação de qualidade e rigor aos nossos alunos desde os primeiros anos, no Jardim de Infância, até aos 18 anos, final da escolaridade obrigatória, com o qual nos comprometemos que ocorra para todos no final do ensino secundário, ou no final de um curso de cariz vocacional ou profissionalizante. Temos que saber lidar com a diversidade, proporcionando a todos o acesso a aprendizagens de sucesso independentemente da sua origem cultural e social. O direito à educação não se limita apenas à frequência da escola, é também o direito à aquisição de saberes disciplinares e de competências de cidadania de forma que todos possam desenvolver os seus talentos. A Direção e o Corpo docente do AEB estão conscientes do facto de a educação e a formação serem pilares do desenvolvimento da sociedade do Seculo XXI e um fator importante da coesão social. Tal como Nóvoa (1992) defende a ação pedagógica não pode ser isolada dos universos sociais que a envolvem. O grande desafio consiste em trabalharmos em conjunto para o aperfeiçoamento pessoal das crianças e jovens da nossa comunidade educativa, ao mesmo tempo que também os professores se vão aperfeiçoando profissionalmente. 

A Estratégia 2020 para a Europa tem um foco muito grande nas crianças e jovens, quando uma das suas metas prioritárias é de alargar a escolaridade de todos os jovens europeus, reduzindo o abandono escolar precoce e desta forma reduzir o risco de pobreza e de exclusão social. São os atores no interior de um sistema que fazem da organização aquilo que ela é (Brunet, 1990). O clima de trabalho tem um papel importante no funcionamento de uma escola, no nosso caso, nos quatro estabelecimentos de educação e ensino do nosso agrupamento. O clima segundo Brunet, resulta de várias variáveis de natureza individual e de grupo, de estrutura e de processos. O efeito combinado destas variáveis tem um papel ativo na composição do clima organizacional do agrupamento. Assim, a eficácia e o rendimento escolar são reflexo de um clima de tipo participativo onde todos os membros unem os seus esforços para atingir os fins e os objetivos da organização. Segundo o relatório da Comissão Europeia, Assuring Quality in Education – Policies and Approaches to School Evaluation in Europe (Eurydice, janeiro 2015), os países da União Europeia precisam de promover uma cultura de melhoria constante da qualidade do ensino e da aprendizagem. Os Estados-Membros são incentivados a desenvolver e promover uma cultura de avaliação, para garantir a transparência dos resultados de uma avaliação de qualidade - um processo que a Comissão Europeia está empenhada em reforçar, através da promoção da aprendizagem mútua junto das escolas e das comunidades educativas. 

O debate e a reflexão sobre a avaliação escolar assumem particular importância para o desenho e análise das políticas educativas e para a ação educativa da instituição Escola.  De igual modo, o Estudo da OCDE, Perspetivas das Políticas Educativas para 2015: Concretizar as Reformas (janeiro 2015), realça a importância da avaliação nas escolas para as reformas na área da Educação. Segundo este estudo, para Apoiar as reformas políticas na Educação deve ser traçado um quadro coerente de base local, com capacidade suficiente para a realização e interpretação das avaliações a realizar, em todos os níveis do sistema de ensino. Esta ação é a base para o sucesso da introdução de inovações nos ambientes de aprendizagem que devem tratar de questões de ensino e aprendizagem específicas. No ano letivo em que os resultados do nosso processo de autoavaliação, enquanto agrupamento, são divulgados e é feita uma análise e reflexão sobre os seus resultados, pretendemos criar momentos de reflexão e partilha de experiências sobre o AEB, enquanto organização educativa. A análise dos pontos fortes e dos a melhorar é fundamental para clarificar as tomadas de decisão a diferentes níveis desde a sala de aula, ao Departamento e ao Conselho Pedagógico. Só assim conseguiremos atingir a meta do nosso Projeto Educativo - sermos um Agrupamento de Referência, na comunidade educativa portuguesa. 

Inovação e Ensino da Excelência: Avaliação Porquê e Como é o tema das II Jornadas Pedagógicas do AEB, a realizar nos dias 7 e 8 de julho de 2015. A definição do tema organizador das nossas Jornadas Pedagógicas teve como ponto de partida uma estratégia de ação a partir da base, ancorada na identificação dos problemas e desafios sentidos transversalmente por todos os docentes do agrupamento, no dia-a-dia da vida escolar e na necessidade de encontrar respostas para as questões que vão sendo levantadas, ao longo do ano letivo. O principal objetivo da avaliação é determinar a relevância, cumprimento, eficiência, eficácia, impacto e sustentabilidade do Projeto Educativo do AEB, tornando possível a formulação de juízos de valor que orientem a tomada de decisão, numa perspetiva não apenas sumativa, mas também formativa.


Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Docentes do agrupamento de escolas de Benfica por ordem de inscrição;
  • 2.ª prioridade: Docentes das escolas associadas ao CFAEMBM por ordem de inscrição;
  • 3.ª prioridade: Docentes de outras escolas por ordem de inscrição.

Detalhes da calendarização

II Jornadas: Julho 2015
  • Dia 07 (3ª F)            
  • Dia 08 (4ª F)  



Critérios de avaliação

Em anexo encontra informação sobre os critérios de avaliação do curso de formação:

Ação 22:2014/15 - Rios de Portugal: a água e as rochas 2015

Publicado a 08/04/2015, 04:15 por Bruno Henriques   [ atualizado a 13/04/2015, 06:47 ]


Oficina de Formação: 25HP + 25HTA, 2.0 UC
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-82428/15
Formador: Fernando Louro Alves
Local : 
a sede da SETA (Sociedade Portuguesa para o Desenvolvimento da Educação e Turismo Ambientais)
Grupos de recrutamento: Para todos os grupos de recrutamento
Calendário: 
turma I - 02 de abril a 11 de junho de 2015
                          turma II - 01 de abril a 17 de junho de 2015

                                                                       

Descrição                                

As práticas pedagógicas em que habitualmente os nossos alunos estão integrados podem sofrer a tendência para a excessiva teorização, 
mas todos sabemos que os processos pedagógicos devem assentar em metodologias semelhantes às da vida real, seguindo conjunturas práticas, 
de trabalho em grupo ou em equipa e, preferencialmente, em contextos semelhantes aos da sociedade e do ambiente em que vivemos.

Sente-se então a necessidade de:

1. Facilitar a atividade docente disponibilizando materiais pedagógicos utilizáveis nas aulas, e dando formação sobre os seus conteúdos e 
métodos;

2. Disponibilizar a possibilidade de realização de atividades práticas no campo, em contexto de visita de estudo, conferindo formação prévia aos próprios docentes;

3. Articular os professores em rede, para que estes possam partilhar experiências positivas mas também aprender com os erros;

4. Promover o desenvolvimento de atividades experimentais;

5. Promover a sensibilização ambiental e ajudar a construir um novo edifício atitudinal alicerçado em valores, de uma forma transversal, para 
docentes de qualquer área disciplinar;

Neste caso a Água (e o Homem) é o principal agente modelador da paisagem que atua enquanto agente erosivo e meteorizador das 
rochas, a compreensão desses processos no decurso do Ciclo Petrogenético, porque holístico, cíclico e integrador pode constituir um modelo a 
extrapolar para a abordagem à realidade ecológica. 

Esta oficina de formação poderá dar resposta à necessidade de formação dos educadores e professores, fazendo-os viver estratégias facilmente reproduzíveis nas respetivas práticas pedagógicas.



Protocolo entre o CFAEMBM e a SETA (Sociedade Portuguesa para o Desenvolvimento da Educação e Turismo Ambientais)


Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes das escolas associadas do CFAEMBM e SETA;
  • 2.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes de outras escolas.

O Link de Inscrição: https://sites.google.com/a/cfmbm.info/inicio/5-area-de-inscricao/inscricoes



Detalhes da calendarização


Turma I

abril:      02(quarta feira) 14h00 - 17h00;

                09(quinta feira) 17h00 - 20h00

                11(sábado) 09h00 - 13h00 e das 17h00 - 20h00;

                17(sexta feira) 09h00 - 13h00 e das 17h00 - 20h00;

                30(quinta feira) 18h00 - 20h00;

maio:    14(quinta feira) 18h00 - 20h0029(sexta feira) 18h00 - 20h00; 

junho:  11(quinta feira) 16h00 - 20h00.


Turma II

abril:      01(quarta feira) 14h00 - 17h00;

               04(sábado) 09h00 - 13h00 e das 15h00 - 18h00;     

               08(quarta feira) 17h00 - 20h00

               17(sexta feira) 09h00 - 13h00 e das 17h00 - 20h00;

               29(quarta feira) 18h00 - 20h00;

maio:    13(quarta feira) 18h00 - 20h0028(quinta feira) 18h00 - 20h00; 

junho:  17(quarta feira) 16h00 - 20h00.


As sessões de trabalho autónomo desenvolvem-se na ação dos docentes em sala de aula e na visita de estudo nos tempos de paragem 
da ação.






     

Ação 23:2014/15 - As Danças Latino-Americanas em contexto escolar (Nível I)

Publicado a 07/04/2015, 08:08 por Bruno Henriques   [ atualizado a 09/04/2015, 02:48 por Inacia Oliveira ]

Oficina de Formação: 25HP + 25HTA, 2.0 UC
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-82195/15
Formador: Carlos Oliveira
Local : Agrupamento de Escolas Pioneiros da Aviação Portuguesa - ESA
Grupos de recrutamento: Para os grupos de recrutamento 260 e 620
Calendário: 
04 a 30 de maio de 2015

                                                                       

Descrição

De acordo com os Programas Nacionais de Educação Física (PEF) vigentes, constatamos que as Actividades Rítmicas Expressivas constituem-se como uma das áreas curriculares nucleares presentes nestes normativos oficiais desde o 1º ao 12º ano de escolaridade. Esta área curricular, sendo transversal ao percurso do aluno durante o ensino básico e secundário, revela-se de especial importância para o desenvolvimento harmonioso dos alunos.

É da responsabilidade dos estabelecimentos de ensino, nomeadamente dos Grupos de Recrutamento de Educação Física, definir e implementar processos de ensino e aprendizagem de modo a que os seus alunos possam conseguir atingir as competências específicas definidas 
para esta área do currículo. 

Nas suas orientações metodológicas, os PEF apresentam a possibilidade das escolas poderem, de acordo com o seu projecto de Educação Física, seleccionar o tipo de dança a desenvolver com os seus alunos. Desta forma, as danças Latino-Americanas incluídas nas Danças Sociais definidas pelo PEF, e tal como as restantes matérias presentes nos mesmos, também as se encontram especificadas em 3 níveis
 – Introdução, Elementar e Avançado, níveis esses onde são definidos o tipo de objectivos que deverão ser atingidos de modo a que os alunos consigam atingir as competências específicas definidas para as Danças.

                   As necessidades de formação dos professores de Educação Física ao nível desta área curricular provém do facto de muitos professores 
não terem tido a possibilidade de usufruir de formação nas Actividades Rítmicas Expressivas durante a sua formação inicial. Como consequência, 
os docentes apresentam-se pouco confiantes e desmotivados para transmitir conhecimentos neste domínio. Para além disso, existe ainda o preconceito entre a comunidade docente (maioritariamente masculina) de que a área das Actividades Rítmicas e Expressivas estão tradicionalmente ligadas à estética feminina. 

                   Como opção metodológica para a acção aqui apresentada, dirigiremos a mesma para a aquisição de conteúdos e metodologias de abordagem às danças Latino-Americanas, enquanto Danças Sociais contempladas no PEF.  A Educação Artística, tal como é apresentada na Reorganização Curricular, exige uma actualização constante dos docentes nas disciplinas no campo da música, dança e teatro, por esta razão esta acção dirige-se a todos os docentes que pretendam enriquecer as suas competências nesta área.

                   Por último, o crescente interesse e motivação dos alunos nesta área, justifica a importância de formar professores que respondam, 
cada vez melhor, às expectativas dos mesmos.



Auto Financiada
                                                                                                                             
Nº de participantes: 20 formandos, a 60€ por formando


Seleção de formandos:

  •  Por ordem de inscrição docentes do 260 e 620.

O Link de Inscrição: https://sites.google.com/a/cfmbm.info/inicio/5-area-de-inscricao/inscricoes



Detalhes da calendarização


maio:       04 (segunda feira) 18h30 - 21h3007 (quinta feira) 18h00 - 21h00;

                  11 (segunda feira) 18h30 - 21h3014 (quinta feira) 18h00 - 21h00;
                 
                  18 (segunda feira) 18h30 - 21h3021 (quinta feira) 18h00 - 21h00;

                  25 (segunda feira) 18h30 - 21h3030 (sábado) 09h00 - 13h00.

Ação 21:2014/15 - Ciências experimentais no 1º Ciclo do ensino básico

Publicado a 26/02/2015, 04:07 por Inacia Oliveira   [ atualizado a 26/05/2015, 07:47 ]


Ação adiada para o inicio do próximo ano letivo

  Curso de Formação: 25HP, 1.0 UC
  Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-81767/15
  Formadoras: Maria de Fátima Grais e Mariana Santos Feio
  Local : Agrupamento Escolas Quinta de Marrocos
  Grupos de recrutamento: Para o grupo de recrutamento 110
  Calendário: 
30 de abril a 11 de junho de 2015

                                                                       

Descrição

         É hoje por muitos aceite que a faixa etária correspondente ao primeiro Ciclo do Ensino Básico é a mais indicada para despertar nas crianças 

a curiosidade sobre o mundo que nos rodeia, fomentar o espírito científico e desenvolver a sua capacidade de manipulação. Assim, familiarizar as

crianças desde muito cedo com conceitos básicos de Ciência é prioritário para assegurar o seu interesse por estas matérias a médio e longo prazo 

e, consequentemente, o seu sucesso em níveis posteriores de aprendizagem.

         No programa do Estudo do Meio para o 1º Ciclo do Ensino Básico é referido que cabe ao professor a orientação de todo um processo em 

que os alunos se vão tornando observadores activos com capacidade para observar, questionar, descobrir, investigar, experimentar e aprender. 

Neste sentido, considera-se necessário apostar na melhoria das competências dos docentes do 1º Ciclo do Ensino Básico no domínio do ensino 

experimental das ciências.


Oferta de Escola
Agrupamento de Escolas Quinta de Marrocos

Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes do Agrupamento de Quinta de Marrocos;
  • 2.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes das Escolas Associadas ao CFAEMBM.



Detalhes da calendarização

                                                                               Adiada para Setembro

                  





Nº de participantes: 20 a 25 formandos. 

Ação 20-2014/15 - Avaliação externa da dimensão científica e pedagógica

Publicado a 19/02/2015, 02:15 por Bruno Henriques   [ atualizado a 27/04/2015, 05:50 ]


Curso de Formação: 15HP, 0.6 UC
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC- 76307/13 
Formadora: Rosa Santos
Local : 
Agrupamento Escolas de Benfica 
Grupos de recrutamento: Todos-Avaliadores no Processo AEDD
Calendário: 11 de março a 08 de maio

                                                                       

Descrição                                

                   De acordo com o estabelecido no Estatuto da Carreira Docente, na redação que lhe é conferida pelo Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, a avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e da aprendizagem dos alunos, bem como o desenvolvimento pessoal e profissional dos docentes.

     O sistema de avaliação instituído pelo Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro, introduziu alterações face aos sistemas anteriores, designadamente quanto à simplificação de procedimentos, à promoção de ciclos mais longos de avaliação e à introdução de uma dimensão externa centrada na observação de aulas. 

     A avaliação externa do desempenho docente, consignada no Estatuto da Carreira Docente, envolve a organização de formação para avaliadores externos, de acordo com o estabelecido no n.º 4 do artigo 30.º do Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro. Nesse sentido, é fundamental concretizar um dispositivo de formação orientado especificamente para os avaliadores externos, atendendo à importância que a componente externa assume no modelo de avaliação enformado pelo Decreto Regulamentar n.º 26/2012.

Na conceção desta formação consideram-se como elementos de enquadramento o quadro normativo da avaliação externa do desempenho docente, com destaque para os parâmetros estabelecidos a nível nacional, bem como os modelos de referência para os instrumentos de registo a utilizar na observação de aulas. Nesta perspetiva, esta formação constitui-se como uma estratégia fundamental para o reforço e consolidação das competências do avaliador externo, de acordo com o previsto no artigo 4º do Despacho normativo n.º 24/2012, de 26 de outubro.

Esta ação de formação que se propõe à acreditação traduz uma opção estratégica para o desenvolvimento do sistema educativo. Sendo um programa de formação de âmbito nacional, a Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE), no âmbito da sua competência de concretização das políticas de desenvolvimento dos recursos humanos relativas ao pessoal docente, é a entidade proponente desta ação de formação, concretizando-se a sua implementação territorial a partir da rede dos Centros de Formação de Associações de Escolas.





Seleção de formandos:

  • Avaliadores Externos no atual processo de AEDD (2014/ 2015) sem formação creditada das escolas associadas a cada um dos  CFAE`S:
  • CFAE António Sérgio;
  • CFAE Infante D. Pedro;
  • CFAE Professor João Soares;
  • CFAE Loures Oriental;
  • CFAE Maria Borges Medeiros.

O Link de Inscrição: https://sites.google.com/a/cfmbm.info/inicio/5-area-de-inscricao/inscricoes



Detalhes da calendarização


março:     11 (quarta feira) 17h00 - 22h00; 

abril:         28 (terça feira) 17h00 - 22h00;   

maio:       08 (sexta feira) 17h00 - 22h00. 

Ação 19:2014/15 - O desenvolvimento curricular em artes – metodologias e práticas

Publicado a 29/01/2015, 07:20 por Bruno Henriques   [ atualizado a 09/03/2015, 04:19 por Inacia Oliveira ]


Oficina de Formação: 25HP + 25HTA, 2.0 UC
Registo de Acreditação:
CCPFC/ACC-69556/12
Formadora:
Ana Pessanha
Local : 
Agrupamento Escolas Vergílio Ferreira
Grupos de recrutamento: Para os grupos de recrutamento 100 e 110
Calendário:
09 de fevereiro a 01 de junho de 2015

                                                                       

Descrição

          O Ministério da Educação está a levar a efeito o «Programa de Educação Estética e Artística» em contexto da Educação Pré -  Escolar e

do  1º Ciclo do Ensino Básico.  Este programa pretende suprir uma lacuna na formação de educadores de Infância e dos Professores do 1º Ciclo

do Ensino Básico nas áreas de Expressão Plástica; Dança, Música e Expressão Dramática / Teatro. O problema e as necessidades de formação

destes profissionais centram-se, principalmente, nas abordagens metodológicas que são levadas a efeito; uma vez que muitas vezes estas áreas

são consideradas como auxiliares das outras áreas do Currículo ilustrando temas e festividades. O que este programa pretende é dotar os profis-

sionais de educação com meios que os possibilitem desenvolver estas áreas com as crianças, através da aprendizagem das linguagens específi-

cas de cada uma delas, possibilitando posteriormente a transversalidade de saberes. 

          De acordo com este pressuposto esta formação oficina de formação tem os seguintes objectivos:

•    Reflectir sobre as Metas de Aprendizagem da Educação Artística, possibilitando aos docentes a apreensão dos códigos específicos de cada área.

•    Desenvolver metodologias e estratégias de formação para as diferentes áreas identificadas.




Oferta de Escola
Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira

Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes do Agrupamento de Escolas vergílio Ferreira;
  • 2.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes das escolas associadas ao CFAEMBM.

Inscrições Encerradas



Detalhes da calendarização

fevereiro:     09 (segunda feira) 17h30 - 20h30;  23 (segunda feira) 17h30 - 20h30;

março:         
09 (segunda feira) 17h30 - 20h30;  16 (segunda feira) 17h30 - 20h30;  

  maio:          04 (segunda feira) 17h30 - 20h30; 18 (segunda feira) 17h30 - 20h30;
                      
                      25 (segunda feira) 17h30 - 20h30;

  junho:        01 (segunda feira) 17h00 - 21h00;

                


Trabalho autónomo: a confirmar com a Formadora (sessões em Falta)



Nº de participantes: 20 formandos.

Ação 12:2014/15 - Património e desenvolvimento sustentável Itinerário de Belém ao Calvário

Publicado a 26/01/2015, 03:47 por Bruno Henriques   [ atualizado a 30/03/2015, 08:20 ]

Curso de Formação: 15HP - 0.6 UC
Registo de Acreditação:
CCPFC/ACC-73912/13
Local : 
Deambulando por Lisboa
Grupos de recrutamento: Docentes de todos os Grupos de Recrutamento
Calendário:
11 e 12 de abril de 2015    
                                     
 

Descrição


          Trata-se de uma ação de formação destinada a educadores e professores de todos os ciclos com a finalidade de promover a Educação

para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) na perspectiva da integração dos valores inerentes à sustentabilidade em todas as formas de

aprendizagem, com vista a fomentar as mudanças de comportamento necessárias para se alcançar uma sociedade mais sustentável e justa

para todos.

           Na ação são dados a conhecer os sítios do património da humanidade em Portugal, com destaque para a Torre de Belém e do Mosteiro

dos Jerónimos, numa perspectiva de promover o interesse pelo património como sítios de aprendizagem, quer se trate de património construído,

natural ou cultural. Esta acção justifica-se, entre outros factores, pelo facto de contribuir para a concretização dos objectivos da Década da EDS

das Nações Unidas (2005-2014).

           Justifica-se, também, por envolver valores universalmente desejáveis para a confrontação de problemas mundiais nomeadamente na reflexão

sobre os equilíbrios ambientais, sociais e económicos. Salienta-se a utilização de documentação da UNESCO e de legislação nacional, como

recursos pedagógicos, para ilustrar a importância da preservação dos diversos tipos de património. A temática EDS é uma área transversal e

como tal deve ser incentivada a sua introdução nos diferentes currículos e nas diferentes áreas disciplinares em todos os níveis de ensino.
          
            Neste âmbito é feita uma reflexão sobre a forma como o itinerário ambiental em causa, pode ser utilizado como recurso pedagógico nas

diversas disciplinas ou áreas curriculares o que implica uma abordagem a flexibilidade curricular no sentido da integração da EDS.

            A EDS enquadra-se na inovação educacional e deve ser encarada como um importante contributo para a educação para a cidadania.





      Sócios:        15€
      Não sócios: 25€
      Inscrições em: www.cidaads.org



Em anexo encontra-se o cartaz da ação de formação :
Património e Desenvolvimento Sustentável Itinerário de Belém ao Calvário (CIDAADS):
   

Ação 17:2014/15 - Da palavra ao gesto – aprender a comunicar em língua gestual portuguesa

Publicado a 26/01/2015, 03:30 por Bruno Henriques   [ atualizado a 25/02/2015, 04:14 ]

Curso de Formação: 50HP, 2.0 UC
Registo de Acreditação:
CCPFC/ACC-80686/15
Formadora:
Cristina Miranda
Local : 
Agrupamento Escolas Vergílio Ferreira
Grupos de recrutamento: Para todos os grupos de recrutamento
Calendário:
02 de março a 22 de junho de 2015

                                                                       

Descrição

          Com a inclusão de alunos com Necessidades Educativas Especiais no ensino regular, é já comum, para o Professor colocado no início

do ano, deparar-se com alunos surdos na escola onde vai lecionar. Por esta razão, a aprendizagem da Língua Gestual Portuguesa tem-se

apresentado como uma necessidade crescente por parte de um grande número de docentes, desde o ensino Pré-Escolar ao ensino Secundário.

          A comunicação que se estabelece na sala de aula assume uma importância extrema no contexto de ensino e aprendizagem, uma vez que

o espaço pedagógico se caracteriza como um contexto linguístico específico, no qual a “transmissão” educativa surge como um fenómeno

integrante e resultante de uma “relação” específica (professor-alunos; alunos-alunos) crescendo através de um jogo de interações.

          Esta ação de formação vai permitir uma sensibilização dos professores para a comunidade surda e sua cultura a par de uma aproximação

da formação às suas práticas pedagógicas, aos contextos escolares e às necessidades dos professores e das escolas, com consequentes

vantagens do ponto de vista qualitativo do processo de formação contínua.

          Por todas as razões apresentadas, considera-se pertinente e atual a apresentação desta ação de formação, de modo a proporcionar a

todos os docentes a aquisição de competências no âmbito da interação e comunicação com alunos e comunidade surda.




Oferta de Escola
Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira

Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes do Agrupamento de Escolas vergílio Ferreira;
  • 2.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes das escolas associadas ao CFAEMBM.

Turma completa - encerradas as inscrições 



Detalhes da calendarização

março:     02 (segunda feira) 17h15 - 19h15; 09 (segunda feira) 17h15 - 19h15;
                  

                  16 (segunda feira) 17h15 - 19h15;

abril:        13
(segunda feira) 17h15 - 19h15; 20 (segunda feira) 17h15 - 19h15;

                  27 (segunda feira) 17h15 - 19h15;

maio:       04
(segunda feira) 17h15 - 19h15; 11 (segunda feira) 17h15 - 19h15;

 
                 18 (segunda feira) 17h15 - 19h15; 25
(segunda feira) 17h15 - 19h15;
          
junho:     08 (segunda feira) 17h15 - 19h15;  15 (segunda feira) 17h15 - 19h15;

                  22 (segunda feira) 17h15 - 19h15.

Sessões Online: 24H (sessões em Falta)



Nº de participantes: 20 a 25 formandos.

Ação 18:2014/15 - Articulação e supervisão pedagógica

Publicado a 23/01/2015, 04:03 por Bruno Henriques   [ atualizado a 19/03/2015, 09:05 por Inacia Oliveira ]

Oficina de Formação: 25HP + 25HTA, 2.0 UC
Registo de Acreditação:
CCPFC/ACC-80034/14
Formadora:
Rosa Santos
Local : 
Agrupamento Escolas de Benfica e Agrupamento de Escolas de Alvalade
Grupos de recrutamento: Para todos os grupos de recrutamento
Calendário:
20 de março a 22 de maio de 2015

                                                                       

Descrição                               

                   Partindo do princípio que a organização não se pode alhear dos processos e dos contextos, chamamos aqui as caraterísticas das

escolas eficazes (McGilchrist,1997) e das comunidades aprendentes (Hord,1997) que valorizam a visão e metas partilhadas, a liderança

profissional e a organização que aprende como pilares da qualidade dos professores, inscritas no documento Common European Principles

for Teacher Competences and Qualifications (2010) considerando três áreas de competência a trabalhar: 1) com os outros (com os alunos e

com os colegas; 2) com o conhecimento, a tecnologia e a informação (para aceder, analisar, validar, refletir e transmitir o saber construindo e

gerindo ambientes de aprendizagem); 3) com e na comunidade (desenvolvendo parcerias).
                 
                    Neste contexto, pretende-se que a supervisão pedagógica contribua para a melhoria dos processos e a aprendizagem dos alunos,

através de um plano de formação-ação articulado que se oriente para a análise de práticas, para a compreensão e atuação integrada (Sá-Chaves

e Alarcão, 2000) numa interação dialógica e construtiva entre observador e observado ganhando uma dimensão colaborativa autorreflexiva e

auto-formativa (Alarcão e Roldão, 2008) facilitadora do desenvolvimento profissional mútuo (Vieira, 1993; Alarcão e Tavares, 2003).
                  
                    O desenvolvimento da ação, na modalidade de oficina de formação, permitirá a investigação ação com base na observação de aulas,

monitorização dos processos, análise e reflexão sobre a prática, reorientação em caso de necessidade de melhoria e sistematização e

divulgação de boas práticas.



Auto Financiada
                                                                                                                             
Nº de participantes: 20 formandos, a 60€ por formando


Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes das escolas associadas a cada um dos  CFAE`S;
  • 2.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes de outras escolas.

O Link de Inscrição: https://sites.google.com/a/cfmbm.info/inicio/5-area-de-inscricao/inscricoes



Detalhes da calendarização


março:     20 (sexta feira) 17h30 - 20h30; 21 (sábado) 09h00 - 13h00;

abril:         17 (sexta feira) 17h30 - 20h30;   18 (sábado) 09h00 - 13h00;

maio:       08 (sexta feira) 17h30 - 20h30;   09 (sábado) 09h00 - 13h00;

                  22 (sexta feira) 17h00 - 21h00.





Ação 15:2014/15 - Quadros interativos na prática letiva dos docentes

Publicado a 20/01/2015, 03:25 por Bruno Henriques   [ atualizado a 26/05/2015, 07:45 por Inacia Oliveira ]

Ação adiada para o inicio do próximo ano letivo 

Curso de Formação: 25HP, 1.0 UC
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-80664/15
Formadora: 
Eusébio Maia
Local : 
Agrupamento Escolas de Benfica
Grupos de recrutamento: Para todos os grupos de recrutamento
Calendário:
A determinar novas datas

                                                                       

Descrição

                   O Plano Tecnológico da Educação (PTE), foi um programa de modernização das Escolas portuguesas. Aprovado em 2007, incluía 

vários projectos, nomeadamente o apetrechamento com Quadros Interactivos nas salas de aula, numa relação de um Quadro interactivo por 

cada três salas. Por outro lado o aparecimento de novas tecnologias que permitem a interactividade e em simultâneo a mobilidade e uso de

 múltiplos dispositivos interactivos, implicam a mudança de práticas face à mediação da tecnologia.

                   Os novos recursos com a inclusão de Multimédia, interactividade e feedback, implicam novas formas de prática por parte dos

professores nos diferentes níveis de ensino e nas diferentes disciplinas de acordo com as suas necessidades e preferências.

                   Os repositórios e sítios disciplinares específicos de recursos enquanto sítios de referência das escolas, Learning Resource Exchange 

for schools (LRE), para partilha de recursos educativos digitais, ensino à distância, comunicação e trabalho colaborativo.

                    De acordo com estudos em vários países nomeadamente sobre a utilização de Quadros Interactivos é referido a necessidade de 

formação aos professores de forma a tirar partido deste tipo de tecnologia.

                    A presente acção de formação tem como objectivo desenvolver os conhecimentos e competências que os docentes já possuem a 

nível curricular e pedagógico, para que os possam rentabilizar os vários recursos de qualidade existentes e reutilizá-los de acordo com as melhores 

práticas.

                   A abundância de recursos e os vários tipos de licenciamentos exige critérios e estratégias de pesquisa de acordo com o sentido ético, 

em linha com os desenvolvimentos e oportunidades criadas pelos recentes projectos de organização de recursos educativos e recentes tecnologias 

educativas.




Auto Financiada
                                                                                                                             
Nº de participantes: 25 formandos, a 25€ por formando


Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes das escolas associadas ao CFAEMBM;
  • 2.ª prioridade: Por ordem de inscrição docentes de outras escolas.

O Link de Inscrição: https://sites.google.com/a/cfmbm.info/inicio/5-area-de-inscricao/inscricoes



Informação:


A ação de formação está adiada para o ano lectivo de 2015/ 2016 , por impossibilidade do Formador.




Nº de participantes: 20 a 25 formandos. 

1-10 of 24