Ação 07: 2016/17 - A AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA E A QUALIDADE EDUCATIVA

Publicado a 13/02/2017, 07:16 por Bruno Henriques   [ atualizado a 18/05/2017, 03:03 ]

Oficina de Formação: 25HP+ 25HTA
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-86449/16
Formador: Jorge Lemos
Local : Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz
Grupos de recrutamento: Para todos os grupos de recrutamento
Calendário:
A Determinar

                                                                       

Descrição

A interdependência entre o sistema educativo e a sociedade faz com que este esteja cada vez mais sujeito às pressões sociais. A prestação de contas constitui um dever de
cidadania e a qualidade uma exigência social que deverá proporcionar aos cidadãos adequados níveis de satisfação das suas necessidades reais, em termos de eficiência
e de eficácia, em consonância com o sentido de autonomia responsável que configura os regimes democráticos.

Face às mudanças em curso, nomeadamente ao nível da (re)organização curricular do ensino básico e da revisão curricular do ensino secundário, bem como do do novo
quadro legal da administração e gestão dos estabelecimentos de ensino não-superior, nunca como hoje se mostrou tão imperativa a formação centrada nas questões
organizacionais da escola. O Mobile Learning, por sua vez, é muitas vezes definido como um método flexível, democrático no acesso, aberto, social e interativo, com
ênfase na atividade, individualização no ensino e desafio da motivação. (Valentim, 2009).

Cabe, por um lado, reconhecer que, cada vez mais, e de forma mais extensiva, os docentes estão a ser chamados a intervir na organização-escola, exigindo-se uma
reformulação de conceções de administração escolar que se situam mais nas perspetivas descritiva e interpretativa e menos em perspetivas normativas e prescritivas.
Por outro lado, deve ser valorizada a utilização dos conhecimentos pedagógicos e organizacionais em detrimento dos de natureza jurídico-normativa (conhecimento para
o cumprimento da legislação escolar).
Neste quadro, importa procurar direcionar, ao nível da formação organizacional, a aquisição de competências de análise crítica para a compreensão do funcionamento
das escolas de forma abrangente e na dimensão da formação geral que o professor deve possuir, bem como criar condições para que o professor seja um gestor de
relações e de situações de aprendizagem, no pressuposto de que os atos de gestão nas organizações educativas são, por definição, atos com relevância pedagógica.

Com efeito, a capacidade educacional da escola decorre das características organizacionais que suportam o ensino e a aprendizagem, da sua qualidade educativa, que
leva a um maior envolvimento dos alunos, do qual resulta um melhor desempenho ao nível das aprendizagens. O objetivo de qualquer escola é o desenvolvimento integral
dos alunos. Escolas eficazes são as que realizam de forma qualitativamente superior este objetivo.
No horizonte da formação contínua está a qualidade educativa, entendida como transformação e mudança. Melhorar a qualidade, num processo de transição, implica
uma efetiva coordenação e sustentação da mudança, através de renovadas e mais coerentes propostas de formação, formal, não formal ou informal, comprometendo
nos processos os próprios destinatários.


                                                                           

OFERTA DE ESCOLA
                                                                                                                             
Nº de participantes: 20 formandos

                                                

Seleção de formandos:

  •  Por ordem de inscrição docentes do Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz.

O Link de Inscrição: https://sites.google.com/a/cfmbm.info/inicio/5-area-de-inscricao/inscricoes



Detalhes da calendarização


A DETERMINAR




Comments