Ação 31: 2017/18 - Escrita Criativa e Ilustração - A pluralidade dos sentidos

Publicado a 25/07/2017, 03:51 por Bruno Henriques   [ atualizado a 01/08/2017, 09:06 ]

Curso de Formação: 25HP, 1 UC
Registo de Acreditação: 
CCPFC/ACC-92162/17
Formadora: Dulce Gonçalves
Local: Agrupamento de Escolas das Laranjeiras
Grupos de recrutamento: Educadores de Infância, Ensino Básico e Ensino Secundário
Calendário: 
04 de setembro de 2017 a 30 de outubro de 2017 

                                                                       

Descrição

Estudos do âmbito da neurociência têm permitido uma análise cada vez mais especializada do processo de ensino e aprendizagem, obrigando a escola atual a repensar velhos modelos. A plasticidade cerebral possibilita a interligação de processos morfológicos, fisiológicos e comportamentais, permitindo, por exemplo, reter e arquivar nova informação. Contudo, as funções cognitivas são potenciadas quando a criatividade é estimulada desde cedo.

Desta forma, cabe à escola a maximização de oportunidades de expressão criativa nos processos de ensino e aprendizagem, fortalecendo comportamentos que preparem o aluno a pensar de uma maneira autónoma, flexível e imaginativa.

Porém, apesar das conclusões científicas a que vários estudos chegam, apesar das novas indicações metodológicas incorporadas em alguns programas curriculares recentes, o ensino continua a ser padronizado, a aprendizagem resulta de um suporte teórico que requer, inúmeras vezes, apenas compreensão, reprodução e memorização mecânica, os exercícios assumem apenas uma resposta tipificada, desvalorizando-se o pensamento divergente e o papel que a criatividade pode ter para encontrar soluções.

Paralelamente, os conteúdos lecionados não se interligam numa lógica interdisciplinar, no sentido de fortalecer o raciocínio abrangente, valorizando-se, do mesmo modo, o trabalho individual do aluno, contraposto a uma dinâmica cooperativa de aprendizagem e de autoquestionamento e descoberta.

Por outro lado, na sociedade atual os conhecimentos renovam-se rapidamente em consequência do progresso científico e tecnológico, obrigando o indivíduo a desenvolver capacidades de adaptação a novas circunstâncias e situações. Nesse sentido, desenvolver o potencial criativo pode significar a sobrevivência no próprio mundo laboral, para o qual a escola deve preparar o indivíduo.

Hargreaves defende que a missão de ensinar, na sociedade de conhecimento, implica cultivar diversas capacidades nos jovens, como a aprendizagem cognitiva profunda, a criatividade, ou o trabalho em rede e em equipa, entre outras.  

Howard Gardner, por seu lado, defende que as crianças desenvolvem, até aproximadamente aos 7 anos, um manancial criativo a partir do qual desenvolverão o seu potencial futuro, estimulando-o e aumentando-o à medida que crescem.  Contudo, à medida que a criança cresce, começa a preocupar-se com o que os outros pensam das suas ideias, iniciando um processo de auto-inibição da sua criatividade. Já sem referir que a própria escola impõe limites bem delineados. O desafio do educador, portanto, também passa por assegurar que os jovens desenvolvem capacidade de resiliência, ao mesmo tempo que adquirem vontade de partilhar as suas ideias, de as discutir, aceitando sugestões, críticas, contributos, maximizando oportunidades de expressão criativa nos processos de ensino e aprendizagem, e fortalecendo comportamentos que preparam o aluno a pensar de uma maneira autónoma, flexível e imaginativa.

Afinal, a capacidade de trabalhar imperativamente através de parcerias criativas é uma competência essencial do nosso século.

Desta forma, criar uma ação de formação que integre a escrita criativa e a ilustração interligadas, possibilitará ao formando apreender de modo privilegiado a mais valia que uma educação plural, inclusiva, estruturada e sustentada na estética, na arte e no pensamento possibilita no mundo atual.



Seleção de formandos:

  • 1.ª prioridade: Docentes do Agrupamento de Escolas das Laranjeiras e Instituto Pupilos do Exército;                     ;
  • 2.ª prioridade: Docentes das escolas associadas ao CFAEMBM.

Detalhes da calendarização

                                                                                                                                            



                                                                                                                                     A Determinar

Comments